Dicas

5 dicas para você fazer bons negócios em brechós infantis

Ha algumas semanas postei no nosso instagram que havia feito a feira em um brechó.

Comprei muitas roupinhas para a Luísa a preços inacreditáveis. Muita gente me questionou sobre a qualidade das peças, valores, e se realmente valia a pena.

Bom, eu preciso dizer que sou super adepta a brechós infantis desde a gravidez da Bellinha.

Primeiro pela questão mais óbvia de todas: economia. Uma roupinha semi nova/usada custa no mínimo 3x menos que uma nova, e é tão útil quanto aquela que vem com a etiquetinha da loja.

E também porque os bebês crescem muuuito rápido, o que faz com que várias peças sejam muito pouco usadas (eu já perdi coisa que mal desdobrei!).

Então sim! Eu sou fã de roupinhas de brechó, mas claro, sempre tomo alguns cuidados e levo algumas coisas em consideração. Por isso separei aqui 5 dicas sobre o assunto 🙂

1 – Tenha disponibilidade

Uma coisa é certa: Brechó tem de tudo. Desde peças que não valem nada, até preciosidades que chegam a dar um quentinho no coração quando são achadas. Mas para separar o que vale a pena do que não vale, você precisa de duas coisas: TEMPO E PACIÊNCIA.
Ir com pressa não faz sentido nenhum. Tire uma tarde inteira para ficar fuçando, se for preciso. E não desista na primeira pilha de roupas que não estejam muito atrativas.
É preciso ver tudo com muita calma… Peça um banquinho, se for preciso, mas não saia de lá sem ter visto tudo com carinho.

2 – Marca não é tudo

Hoje em dia existem muitos “brechós de luxo”, que são aqueles onde 90% das peças a venda são de marcas importadas. Uma tentação, claro, mas é preciso lembrar que a etiqueta com um nome não é o mais importante.
Normalmente esses lugares mais “selecionados” também têm preços mais salgados, e tiram todo o sentido da ideia de economia.

Por isso, não menospreze os brechós de bairro. Lá você pode encontrar muitas peças ótimas, por valores muito menores. Vá com tempo e paciência e com certeza sairá surpresa.
(Vou citar aqui um exemplo que vivi: Encontrei um sapato para a Bellinha num brechó de bairro pequeno, que estavam vendendo a R$ 8,00. Uma semana depois fui num maior, e eis que encontrei o mesmo modelo, número, e apenas com a cor diferente – porém a peça estava ainda mais gasta do que aque comprei – e pasmem: estavam vendendo a R$ 39,00)

Procure se informar sobre possíveis bazares também. Alguns lugares promovem “saldões” de peças, e esses eventos são imperdíveis. (vide as fotos das peças que comprei no último que fui)

3 – Analise os detalhes

Se você gostou de algo, cheque a peça milimetricamente.
Veja principalmente o estado das mangas, golas e na região do bumbum da criança. Esses são os pontos com maiores concentrações de manchas.
Cheque os botões, zíperes, bordados… Analise a peça com cuidado. E mesmo se estiver faltando algo (um botão, por exemplo), avalie se não compensa mesmo assim levar. Esses detalhes muitas vezes desvalorizam a peça, mas são simples de serem consertados.

4 – Não acredite em tudo o que ouve

Acredite mais no que você vê. Pode ser que a vendedora do local tente de convencer a levar aquela peça manchadinha, alegando que é só lavar que sai, mas… Nem sempre sai. Então só fique com aquilo que realmente vale a pena e que você sabe que conseguirá consertar, caso necessário.
Os casos de manchas são os mais delicados, porque não parece óbvio que se aquilo saísse, a pessoa já venderia sem?

5 – Troque

Se você já tem peças que precisa se desfazer, tente trocar. Separe o que está em bom estado e leve até o brechó de sua preferência. Normalmente eles valorizam mais, caso pagamento seja na base de troca, e não em dinheiro. Essa é uma ótima jogada para renovar o guarda roupa da criança, economizar dinheiro e otimizar espaço no armário.

Dica extra: Não repare no amassado, nem na falta do cheirinho de roupa nova. Assim como todas as outras peças, lembre-se que você precisará lavar aquilo. E se sentir mais segurança, lave duas vezes. Isso dá uma carinha ainda melhor de coisa nova. Muitas vezes os brechós não têm espaço para guardar tudo bonitinho, o que pode amarrotar e deixar a roupa com uma cara menos favorecida do que merece.

Agora olhem só os ACHADOS que comprei no último bazar de brechó que fui.

Sim! Foram 25 peças por R$ 113,00! 

Não disse que vale a pena?

Obs: Sobre o esse brechó que fui, ele fica no Bacacheri, próximo ao Exército. Chama-se XILICA e tem muita coisa pra fuçar 🙂
Normalmente eles promovem bazares com preços arrasadores de 3 em 3 meses.
(R. Mal. Trompowski, 424)

Um beijo,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *