Saúde e Alimentação

Alimentação complementar. Por quê esperar?

Muito se ouve falar em alimentação complementar.

Para os pais, é um marco de crescimento. A criança começa a se tornar independente, já não precisa 100% da mãe para se alimentar. Ver aquele bebêzinho, que ha pouco tempo estava dentro da barriga, sentadinho, comendo comida, todo lambuzado e fazendo um monte de caretas pras fotos, enche os olhos de tanta emoção.

O que muitos pais não entendem, é que mesmo que a criança precise conhecer novos alimentos, para que aos poucos ela possa se alimentar junto com a família, são necessários cuidados especiais com a alimentação no primeiro ano de vida. Pois esta é a fase em que ela se encontra muito vulnerável e dependente. Assim, posso garantir que a nutrição tem um papel importantíssimo nesta fase.

A amamentação exclusiva nos primeiros seis meses de vida é indispensável para a saúde da criança (lembrando que o leite materno oferece nutrientes essenciais para iniciar uma vida saudável).
A partir do sexto mês, apenas o leite já não é suficiente para suprir as necessidades nutricionais e enérgicas da criança. Então, é necessário entrar com a alimentação complementar. Os alimentos deverão ser oferecidos inicialmente em forma de papa e especialmente preparados para a criança, com aumento progressivo da consistência até chegar a alimentação igual a da família (que seja SAUDÁVEL hein!).

Infelizmente, alguns pediatras “atravessam” os estudos NUTRICIONAIS, que de fato, são os estudos específicos para a área da alimentação e saúde alimentar, e tratam este caso com toda falta de respeito. Diarreias, infecções e desnutrição, podem ser os sintomas de crianças que estão recebendo a alimentação complementar antes do tempo indicado, podendo também comprometer o seu crescimento e desenvolvimento. Alguns sintomas podem não ser visíveis a curto prazo, mas em tempo prolongado podem aparecer, sendo eles: diabetes, alteração na pressão arterial, problemas gastrointestinais, entre outros.

Por isso, em caso de dúvidas ALIMENTARES, procure um nutricionista e veja quais são as melhores opções para o crescimento saudável de seus filhos.
Ah, vale lembrar também que alguns alimentos são considerados alergênicos (ovos, peixes, oleaginosas, frutas cítricas e leite de vaca). O consumo precoce desses alimentos, podem fazer com que a criança desenvolva quadros alérgicos e de intolerância alimentar. Cada coisa no seu tempo! E também, a introdução precoce de alimentos faz com que a criança passe a mamar menos, com consequente diminuição da produção de leite pela mãe. Então, vale repetir né? INTRODUÇÃO ALIMENTAR COMPLEMENTAR, DEPOIS DOS 6 MESES, TÁ?!

*Fernanda Müller é curitibana, leitora do blog e agora, nossa colunista de todas as quintas-feiras. Formada em nutrição, e apaixonada pelo que faz. Acredita que o remédio são os alimentos certos, e vai nos ensinar um pouco mais sobre uma ALIMENTAÇÃO CONSCIENTE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *