Dicas de desfralde – O que deu certo por aqui



Estamos em época de festa…

E não tô falando do natal que tá chegando não…
Por aqui, o desfralde total finalmente aconteceu!!! (aeeeeee)

Depois de muitos meses, e por sorte, poucas escapadas na calcinha: Tchau fraldas, tchau compras enormes na farmácia, viva o bumbum livre!

Pois é, a história de desfralde demorou mais que o esperado por culpa minha mesmo, mas confesso que não me culpo porque sinto que foi super tranquilo e sem grandes traumas.

Bellinha já ganhou um peniquinho quando tinha uns 10 meses, e como ela ficava com a minha sogra (que tem uma mão abençoada pra desfraldar), a vovó já tornava a hora do xixi uma brincadeira…
Sim, eis o grande segredo!
Desde a primeira vez que a Bellinha sentou em um peniquinho, foi com ar de “brincadeira”… Rolou grito de alegria, comemoração e por aí vai. E como minha baixinha quase não curte uma bagunça, ela começou a “pedir” pra usar o penico (não era todo dia, e não era necessariamente quando ela queria fazer xixi ou cocô, até porque, ela não assimilava a vontade ao penico, mas sim, a bagunça ao penico).
Passou o primeiro aninho, e ela parou de ficar com a vovó… E eu, como um bom ser humano preguiçoso, deixei o tempo passar e não consegui “desgarrar” das fraldas. No verão passado (que ela já estava com 1 ano e meio quase) eu estava mega atarefada e não conseguia me atentar aos pequenos detalhes do desfralde (paciência é uma deles), e acabei deixando passar a oportunidade de concluir essa missão.
Eis que, uns 2 meses antes de completar 2 anos, ela começou a reparar que eu ia ao banheiro, e (no jeitinho dela) perguntava “QUI CÊ TÁ FAZENDO”?… Resposta óbvia: XIXI (ou cocô, mas enfim…)
Até que um dia, ela começou a dizer que queria fazer “cocô na pivada igual a mamãe) (ps: ela tem essa mania de não diferenciar xixi de cocô, tudo pra ela é cocô! hahahaha)
Aproveitamos a brecha, e começamos a levá-la eventualmente ao banheiro (detalhe: a bagunça tinha que ter… Era AEEEEEE COCOZAAAAAO… UHUUUL, QUERO OUVIR O XIXI… E daaaaava risada – nós, e ela, claro).
Assim seguimos por 4 meses, e no decorrer das semanas, a fralda da manhã saía, aí já era uma manhã e uma tarde sem fralda… até que: TCHANAAAAM: Notamos que a fraldinha da noite amanhecia sequinha: OPORTUNIDADE A VISTA! Já estamos a uma semana sem uma calcinha com xixi (nem cocô).

Confesso que foi mais fácil do que eu imaginava, porque vejo muitas mães sofrendo com isso.
Por isso, baseado no que deu certo aqui, segue algumas dicas para um desfralde de sucesso 🙂 

1. PACIÊNCIA
Porque paciência é o primeiro item pra qualquer tentativa, não é mesmo?
A verdade é que tem horas que você vai querer desistir.
Depois de umas roupas sujas, você vai se perguntar qual seu problema… Então: PACIÊNCIA nessas horas.
Seu filho sente sua tensão, e se ele perceber que xixi e cocô são sinonimos de stress, isso poderá causar alguns traumas no quesito banheiro.
Respire fundo e converse.

2. FAÇA FESTA
O banheiro não pode ser uma super obrigação. Crianças gostam de diversão. E se até a comida a gente adapta com umas carinhas pra alegrar, por que não criar um método divertido no banheiro?
Pode ser historinha…
Deixa carimbar um papel…
Distraia.
Faça da hora do banheiro, um momento que ele queira voltar.
Aqui funcionou livrinho, e a bagunça pra ouvir o barulho do xixi/cocô: ficavamos fazendo auê pra ouvir os sons de banheiro (e ela achava o maximo, ainda mais porque os sons que saíam, vinham dela)

3. SE NÃO DER CERTO, MANTENHA A CALMA
Escapadas serão comuns. Afinal, 100% de sucesso assim, de cara, difícil hein.
Não deixe seu filho nervoso por isso (e você também, não fique – é só uma fase).
Converse com ele e pergunte porque ele não pediu para ir ao banheiro… Diga que estava esperando ele para fazer bagunça e comemorarem juntos…

4. SE DER CERTO, ELOGIE
Aqui não rolou só elogio… Rolava pulos de alegria, gritinhos de felicidade, um abraço de parabéns e tudo que tinha direito.
Criança gosta de coisas alegres.
E toda vez que você fica feliz junto, eles entendem que é algo que devem continuar fazendo, afinal: a mamãe ficou feliz!

5. AJUDE-O A ENTENDER O QUE É ISSO
No começo, é difícil para a criança assimiliar a sensação de vontade, com a real necessidade de ir ao banheiro. Afinal, foram alguns meses fazendo xixi e cocô sem precisar avisar.
Então, comece levando-o eventualmente ao banheiro, mesmo que ele não peça. Diga que quer ouvir o som do xixi, ou algo do tipo… Deixe-o sentadinho o tempo que precisar (e que ele aguentar)… Enquanto isso, converse, distraia… E se rolar um xixizinho ou um número 2, siga as dicas número 2 e 4 🙂

6. OS OUTROS TERÃO QUE AJUDAR
Fique atenta em como as outras pessoas agem com seu filho com relação ao desfralde.
Se você faz todo esse esforço, e chega final de semana e a vó coloca a fralda e não insentiva também, tudo pode ir por água abaixo.
Então, quando quiser iniciar o processo, avise a todos e peça ajuda.
Obs: Mães que tem os filhos em escolinha e estão em época de desfralde (porque a escolinha, infelizmente, impõe): Veja como eles agem com relação a isso. Já vi casos das professoras forçarem demais e a criança criar um trauma enorme de penico e privada.
Se ele tem relutado demais em casa, e tem apresentado sinais de medo: verifique. Pode ter algo de errado na maneira que estão tentando desfraldar seu filho na escolinha.
Obs 2: Se seu filho está na escolinha, tá aí mais um motivo pra você tentar um desfralde nada traumático: se ele aprender em casa, na escolinha ele irá apenas pedir.

7. ESPERE O TEMPO DA CRIANÇA
Último item, e um dos mais importantes: Cada criança tem seu tempo.
Não é porque a filha da prima da cunhada da vizinha desfraldou com 6 meses, que seu filho também tem que ter essa “habilidade”.
Já vi crianças com 1 ano e meio prontas para desfraldar, mas também já vi crianças de 3 anos que não aprensentavam sinais. Ou seja: cada um, cada um.
A parte principal é você despertar o interesse no seu filho. Ele tem que entender que é algo legal e que vai ser bom pra ele.
Se você simplesmente impor que tá na hora, dificilmente dará certo.
Faça aos poucos, e só avance para a próxima fase, quando a anterior der sinais exatos que já acabou (um exemplo é o desfralde noturno: Se você não tem sucesso no diurno, como vai ficar tranquila tirando a fralda a noite também?!).
Exigir da criança que pare de usar fraldas de uma hora pra outra, sem nunca ter despertado o interesse, é cilada.
Eu considero, como mínimo de sinal, que pelo menos a criança já fale algumas palavras e possa se fazer entender quando quiser ir ao banheiro.


Bom gente, por aqui funcionou assim, e espero que ajude de alguma forma.
Caso tenham outras dicas, me contem nos comentários 🙂

Estou na torcida por vocês.



Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *