Febre: Quando devemos nos preocupar

Mais um dia daqueles....
Mais um dia daqueles….

 

Que mãe nunca se desesperou diante de uma febre do filho?

Quer ver nosso botão de “mãe desesperada” ativar? Basta colocar o termômetro e ver aqueles números subirem sem parar.

Mas calma! Algumas vezes ela não é tão aterrorizante assim.

Por mais preocupante que seja, existem várias situações, vários motivos e várias causas simples que podem fazer essa coisa tão temida vir à tona.

Por isso, resolvi juntar minha experiência de tudo quanto é tipo de febre (de 37,8° até 39,8º), com todas as instruções do pediatra da Bellinha, e ainda com mais algumas pesquisas que fiz sobre o assunto. Olha só:

Quando posso considerar que meu filho está com febre?

A partir de 37,8° já é considerado febre/estado febril, e acima de 38,5º já é febre alta. Mas é importante ficar em alerta caso a partir de 37,5º.

O que posso fazer para baixar a temperatura dele?

Medicamentos devem ser utilizados apenas sob prescrição médica. Por isso, os primeiros passos que você deve seguir são:

  • Retirar o excesso de roupas (cobertas ou qualquer outra coisa que possa elevar a temperatura)
  • Dar um banho morno (nada de água fria!) ou fazer compressas nos membros e no tronco (SEM ÁLCOOL!!!!)
  • Aumentar o consumo de líquidos, já que a febre acaba desidratando também.

Quando é hora de ir ao hospital?

  • Quando, mesmo depois de ter tomado todas as providências que podia, a temperatura continua subindo .
  • Quando a febre continua subindo mesmo após 30 minutos da medicação. Permanecer estável ou abaixar apenas um pouco é normal, pois nem todas as febres baixam quando medicadas, mas só o fato de não subirem mais já é sinal que o remédio está fazendo efeito.
  • Crianças menores de 3 meses com qualquer elevação da temperatura corporal já deve ser atendida por um pediatra, pois nessa idade a febre é um dos únicos sintomas fáceis de perceber em casos mais graves.
  • Para as crianças maiores de 3 meses, qualquer outro sintoma que esteja nitidamente acompanhado da febre, como: vomitos, diarreia, moleza, rigidez no corpo, irritação, tremores e calafrios. Deve-se ter acompanhamento médico para evitar que algo pior aconteça.
  • Crianças com doenças já diagnosticadas (problemas no coração, rins, ou qualquer outro tipo de doenças que já estão sendo acompanhadas e medicadas)
  • Quando a febre ultrapassa três dias (sem muitos picos de febre alta – acima de 38,5° – Nesses casos, se persistir por mais de 24h já é bom verificar). (Embora eu saiba que dificilmente alguma mãe consiga ficar em paz no primeiro dia de febre, quem dirá em três. Mas se você aguentou essas 72 horas, essa é a hora de mobilizar-se)
  • Se a febre estiver acompanhada de qualquer tipo de erupção cutânea
  • Se ele apresentar fortes alterações de humor e estiver muito caidinho

IMPORTANTE: Deixar a febre subir achando que seu filho será atendido com maior urgência no pronto socorro é ilusão. Eles irão apenas medicá-lo e ainda precisarão baixar a temperatura para então realizar o atendimento. Por isso, todas as medidas que você puder tomar para aliviar a situação antes de chegar ao hosítal deverão ser tomadas.

O que pode causar a febre?

Várias coisas. A febre não é uma doença, mas sim um sintoma. É uma defesa do corpo contra o crescimento de bactérias e vírus. Pode ser garganta (infecções e inflamações na garganta normalmente dão febre alta), pode ser virose, pode ser alguma outra infecção e diversas outras coisas. Mas assim como ela pode ser considerada um fator preocupante, em alguns casos ela age de forma benigna e consegue previnir danos maiores na criança.

Bons sinais

  • Quando a criança está com febre, mas continua ativa e não tem alterações de humor. (Mesmo ativa, é importante tentar entretê-la com atividades sem muita agitação, pois dessa forma o metabolismo pode acelerar e consequentemente aumentar ainda mais a temperatura)
  • Quando após tomar todas as medidas “caseiras”, a temperatura baixar e não voltar a subir
  • A criança permanece hidratada (faz xixi com a mesma frequência, o choro tem lágrimas e parece estar salivando normalmente)

Medicamentos para febre

Ao consultar o pediatra, solicite ao menos 2 tipos de medicamento (Os mais indicados normalmente são: paracetamol, ibuprofeno e dipirona) para que você possa intercalar. Isso é importante pois dessa forma é possível evitar exceder a dose máxima por dia.

Tipos de termômetro

Apesar de ser contraindicado devido aos riscos de liberação do metal, o termômetro de mercúrio ainda é o mais preciso de todos. Mas ainda assim, os riscos que ele pode trazer a saúde caso quebre, são super relevantes e devem ser levados em consideração. Por isso, é bom pularmos para o termômetro digital, que deve ser calibrado frequentemente para que fique mais preciso. Este modelo é recomendado para ser utilizado embaixo das axilas, diretamente em contato com a pele.

* Existem outros tipos de termômetro (auricular, temporal, tipo chupeta…) mas ou não são muito utilizados no Brasil, ou não possuem uma precisão boa (especialmente o de chupeta, que só deve ser utilizado nos casos em que a criança não pare quieta MESMO, e ainda assim, pode apresentar erro)

O mais importante

Tente sempre manter a calma, para passar tranquilidade para a criança. E lógico: não deixe de lado o seu instinto materno. Procure o pediatra sempre que sentir necessidade. Com a saúde dos filhos não dá para pecar pela falta, não é mesmo?

 

 

 

Eu Sou do CBBlogers

5 Replies to “Febre: Quando devemos nos preocupar

  1. Mesmo não tendo filho ainda, adoro ver dicas assim porque vira e mexe
    estou com os meus primos pequenos e é sempre bom saber lidar em varias
    situações.
    Amei o post, bem completo e explicado.
    Beijos
    Kauany Santos

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *