Kit Bebê – Ajudando quem precisa

Bom, hoje o assunto vai ser um pouco diferente.
Na verdade, eu resolvi fazer uma proposta a vocês.
Mas primeiro, deixe-me explicar:

A Bellinha sempre foi pequena.
Mas (como se fosse) de um dia para o outro, ela cresceu muito.
Comecei a tentar vesti-la com umas roupinhas, e para minha surpresa, não serviam mais.

Sempre fui adepta a brechós e tinha o costume de trocar/vender em um brechó famoso aqui em Curitiba.
A última vez que tentei fazer isso, notei que o retorno financeiro era muito baixo. Roupinhas que custaram R$ 50,00, eles ofereciam R$ 8,00 pela peça (e vendiam a R$ 30,00…. Mas enfim).

Por isso, juntei a maioria dessas roupas e separei para doação. Mas tá aí mais uma coisa que tem me decepcionado: descobri que alguns lugares “carentes” que pegavam essas doações, separavam as melhores peças, revendiam e distribuíam para quem realmente precisa, somente o que estava bem “judiado”
Fiquei chateada e só conseguia pensar que queria ajudar alguém de verdade, e saber que essa pessoa recebeu e precisa muito do que pude desapegar.

Enfim, no meio de toda a “arrumação” do quarto da Bellinha, notei que não estavam “sobrando” apenas roupas, mas também brinquedos, mantas, e até mesmo alguns produtos de higiene que ela não se adaptou muito bem.

Comecei a lembrar de todas as vezes que parei no semáforo e vi algumas mulheres, moradoras de rua, carregando seus filhos nos braços e pedindo por uma ajuda… Ou até mesmo, grávidas que mal tem roupas para si, quem dirá para seus bebês.

Comecei a selecionar tudo o que podia dar, e montei uma mochilinha com vários itens: de meias a shampoo e condicionador… Ficou como um “mini enxoval”.
Deixei a mochila no carro, e esperei encontrar alguém que precisasse daquilo.

No auge do engarrafamento, em plena avenida parada, vi uma mulher vendendo balas de goma no semáforo.
Ela sempre esteve ali, mas nunca com aquele bebê.

Para minha sorte, era uma menina, embora estivesse vestindo roupinhas de menino (nitidamente curtas e apertadas). Não hesitei e a chamei pelo vidro do carro e ofereci a bolsa. Na hora, ela abriu um sorriso imenso, e se afastou, ainda agradecendo. 
Para minha sorte, o trânsito não fluiu. 
Tive a oportunidade de vê-la abrindo a bolsa e tirar item por item. O ursinho, foi a primeira coisa que a neném agarrou. Aquilo me paralisou. Fiquei sem reação e quase fui carregada pelos outros motoristas agitados pelo trânsito lento, assim que ele resolveu andar.
Mas eu não conseguia parar de olhar.

Todos aqueles itens que fizeram aquela mulher e aquela criança felizes, estavam jogados na minha casa, sem nenhum uso.
Como eu nunca tinha pensado nisso?

Voltei para casa e montei mais alguns “kits”, dessa vez, não tão completos, mas com coisas suficiente para ajudar alguém.
Não tinha mais mochilas, mas coloquei naquelas sacolas de papelão de lojas.

Estou com mais 2 kits no carro… Afinal, nunca sei quando poderei encontrar outra mãe necessitada.
Vendo isso, e sentindo o quanto podemos fazer a diferença com pequenos detalhes, resolvi promover aqui o “Kit Bebê”.

É simples e muito fácil: é só desapegar das coisas que não servem mais, montar pequenos kits, e entregá-los, quando encontrar alguém que precise.

Uma roupinha, um bichinho de pelúcia, uma meia que não serve mais, podem parecer bobeira, mas para algumas pessoas, pode ser tudo o que se tem para tornar a vida de um filho mais “normal”, apesar de tudo.

Que tal?
Vamos fazer a diferença?

O primeiro enxoval eu montei bem caprichado com:
Uma mochilinha que a Bellinha não usava
Meia Calça
Um par de meias
Um par de chinelos
Dois vestidos de verão
Um vestido de inverno
Uma mantinha
Um moleton
Uma mamadeira (esterilizei antes)
Duas chupetas sem uso (porém, esterilizei da mesma forma, e entreguei dentro de um porta-chupetas)
Uma escova de cabelo
Um bichinho de pelúcia
Um bichinho para banho
Um termômetro (serve mais como brinquedo)
Três camisetas
Uma calça
Um shampoo
Um condicionador
Uma almofada
Três fraldas descartáveis (o que sobrou do desfralde da Bellinha)



Nas demais eu consegui colocar:
Uma camiseta manga curta
Uma camiseta manga longa
Uma calça
Um shorts
Um par de meias
Um sapato
Uma toalhinha de boca
Um brinquedo
Um bichinho de pelúcia
Um sabonete

Vocês não precisam seguir um modelo do que colocar, pois qualquer coisa que puder, sempre será mais do que a pessoa tem para oferecer ao seu bebê.
E toda ajuda é bem-vinda.

Estou com os outros kits no banco de trás e ansiosa para entregá-los, apenas aguardando as oportunidades.

Vamos comigo?


“Seja a mudança que você quer ver no mundo” (Mahatma Gandhi)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *