Saúde e Alimentação

Como melhorar a alimentação das crianças

Se introdução alimentar já é difícil, imagine quando a gente precisa consertar pequenos erros cometidos no caminho…

Sim! Eu desviei bruscamente da tão sonhada ‘alimentação saudável’.
E hoje preciso buscar formas de minimizar o máximo possível das terríveis consequência futuras que isso pode causar.
(Sim, porque alimentação interfere não só no peso e saúde de agora. Mas também define como a pessoa se comportará com relação a comida com o passar dos anos)

A jornada da mudança é longa, e extremamente cansativa.
Bellinha tornou-se apaixonada por chocolate, coisa que não julgo, mas sei do mal que isso pode causar em excesso.
É arisca com verduras e legumes, e troca frutas por qualquer coisa, ou simplesmente não come.

Já faz um tempo que reparei que cedia demais. E decidi que precisava interferir o quanto antes, pois aquilo ficava cada dia pior e mais difícil de lidar.

Então iniciei um processo (que ainda está em andamento e sem prazo para terminar) de pequenas mudanças. Para que futuramente o efeito seja gigantesco: uma pessoa adulta sem transtornos alimentares.

Estes são os 5 passos que iniciaram nossa longa jornada de mudanças:

Não seja imediatista

A primeira coisa que devemos entender é que: nada acontecerá de uma hora para a outra.
É preciso ter paciência, persistência, e sensibilidade.
Açúcar e farinha viciam! E isso é comprovado cientificamente.
Então não espere que, de um dia pro outro, as frutas tornem-se mais tentadoras que os chocolates.

Não compre e não faça

Elimine as tentações da sua casa, e inclua os itens que tanto deseja que seu filho comece (ou volte) a consumir.
Afinal, se não tem, ninguém come!
Aproveite para inserir um novo cardápio no dia a dia.

Não seja radical

Simplesmente cortar tudo de uma vez pode deixar tudo ainda mais estressante do que já está.
Redução é a palavra-chave. Substituição é a outra palavra de ordem.
É preciso ir aos poucos e testando novos meios.
Por exemplo: Uns dias atrás, a baixinha só queria comer arroz. Só arroz. Nada mais.
Pensei em brigar ou forçá-la a comer outras coisas, mas ao invés disso, fiz o seguinte:
Cozinhei o arroz com açafrão, beterraba e cenoura ralados de forma fininha (o que fez com que eles ‘derretessem’ no panela) e servi.
Resultado? Raspou o prato e eu fiquei com a consciência mais tranquila, pelo simples fato de ter inserido alguns nutrientes extras.
Às vezes não é sobre obrigar ou ceder: mas sobre mudar de estratégia!

Tenha empatia

Não é porque ainda são crianças, que não poderão ter vontades próprias.
Filhos são pequenos seres humanos com opiniões e gostos diferentes dos nossos. Precisamos aceitar que existirão dias em que nada pareça bom para eles. E que também não são obrigados a gostar e aceitar absolutamente tudo que lhes for dado.
Eu demorei para aceitar isso, mas posso garantir que a vida ficou muito mais leve quando entendi que nosso posso controlar tudo, mas posso dar o meu melhor sempre.

Mude a maneira de servir

Criança vive de fantasia e criatividade. Então, que tal mudar a forma de apresentar e servir as comidas?
Por aqui, percebi que a Bellinha ama tudo que é “pequeno”. Então esses dias fui atrás de frutas menores que o normal, e levei para casa: banana, maçã e mamão, tudo pequeninho.
Assim que ela viu tudo, ficou encantada. Pedia um de cada, a cada hora. Chegou até a esquecer outras guloseimas que ainda estavam no armário.

O caldinho de cenoura servido na canequinha foi um sucesso especialmente por causa da… CANECA PEQUENININHA

Ela também se encanta quando usamos talheres diferentes, o que me levou a apostar em métodos de ‘finger food’. Agora sempre que dá, sirvo algo no prato de forma diferenciada para chamar a atenção.
E funciona!
Veja dicas de finger food AQUI, e maneiras diferentes de servir frutas clicando AQUI

É importante também inserir as crianças na rotina da cozinha.
Apresentar os alimentos, pedir que ajudem do jeito que podem.
Isso as incentiva a EXPERIMENTAR novos sabores. E quanto mais opções saudáveis ela conhecer, mais chances de inseri-las no dia a dia com sucesso.
Veja como elas podem lhe ajudar clicando AQUI

E claro: não desista! Uma alimentação balanceada na infância traz inúmeros benefícios a longo prazo.

Não ganharemos todos os dias. Mas batalharemos com as nossas melhores armas sempre!
#TamoJunto

Um beijo,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *