Textos Gravidicas

Quem sou eu depois da maternidade

Eu poderia escrever meu currículo em letras garrafais, mas não há nada que diga mais sobre mim do que minha própria filha.

Se dizem que a maternidade nos modifica, eu posso garantir que ela me preencheu.

Vi meu coração expandir numa proporção surreal. Eu era alguém que tinha uma lista de melhores dias da vida anotados em um caderninho. E vi item por item sendo riscados e substituídos por situações aparentemente tão simples, mas inesquecíveis.

Já não me lembro dos meus primeiros passos, do meu primeiro dia de aula, da primeira vez que consegui subir em uma bicicleta. Mas tenho vivo em minha memória até a primeira colherada de mamão amassado que dei para a Isabelle.

Esqueci de algumas viagens, de presentes caros que já ganhei… E abri espaço para poder lembrar do som agudo do choro que pedia por mim. Guardei em detalhes o enrugado dos pequenos pés, que cabiam perfeitamente na palma da minha mão.

Salvei na fonte mais segura do meu ser todos os cheiros, cores e expressões da pessoa que tenho o prazer em chamar de “minha filha”.

Porque desde que ela chegou para mim, vi que a felicidade é feita de detalhes. De momentos que coração acelera tanto, que parece que vai parar a qualquer momento.

Embora alguns dias pareçam intermináveis, sigo em frente porque sei que o amanhã me espera com mais descobertas e mais situações incríveis.

A maternidade me fez forte, me mostrou o quanto sou capaz.
Capaz de continuar, mesmo sem dormir… Capaz de sorrir, mesmo quando sinto dor… Capaz de amar mais, mesmo quando parece que já experimentei a sensação de plenitude.

Eu li artigos, mergulhei nos livros e fiz cursos preparatórios. Mas quando a pequena nasceu eu finalmente encontrei nela tudo o que eu precisava saber para fazer isso dar certo.

Foi a nossa ligação que me ensinou e me ensina diariamente a ser uma pessoa melhor.

E por mais que eu ainda perca algumas noites de sono, tenho absoluta certeza que estou vivendo um sonho.

* Este texto foi publicado na coluna “blogueando” da Revista Voi, edição de março 2018 🙂

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *