Ser mãe é…

Um dos primeiros questionamentos na gravidez é: Como é ser mãe?
Bom, se for pra escolher uma qualidade que desenvolvemos durante a maternidade eu diria que é: PACIÊNCIA.

Já falei aqui sobre o amor imenso que sentimos, mas tenho que confessar que a prática do “conte até 10 e respire fundo” vira rotina no nosso dia-a-dia.
Não digo isso só por causa do bebê. Acontece que ser mãe cansa. Cansa o corpo, cansa a mente… Eu já cheguei a questionar minha sanidade mental no começo, pois o mundo vira do avesso.

É impossível?
NÃO.

Mas vou contar pra vocês que, para ser mãe é preciso entender algumas coisas logo de cara.
Para evitar o estresse, você vai ter que fechar os ouvidos pra muita coisa…

Tornar-se uma mulher paciente vai depender muito do que você está disposta a abrir mão.

Vou tentar explicar:

O bebê passa 9 noves na nossa barriga. Sente o que sentimos. Fica quentinho, acolhido, protegido.
O bebê nasce.
Logo de cara, as pessoas vão voar em você com as (malditas) frases:
– Não pega muito no colo senão vai acostumar mal
– Deixa chorar porque senão você tá ferrada
– Vai dar só leite materno? Tadinha…
– Com dois meses eu já dava caldo de feijão e não aconteceu nada…
– Mas já tá mamando de novo? Dá logo um NAN pra essa criança, senão você não vai dormir a noite.

Agora eu te pergunto?
Ser mãe não é isso?
Ser mãe não é dar colo, carinho e aconchego?
Ser mãe não é acalmar, confortar e estar junto?
Ser mãe não é alimentar? (Senão, Deus não nos faria mamíferas, não é?)
Ser mãe não é confiar no próprio instinto? Assumir as responsabilidades?
Ser mãe não é abrir mão das noites inteiras de sono gostoso? De banhos demorados? Roupas limpas?

Porque, cara amiga, se você acredita que sua casa vai continuar limpinha, que você vai ter seu sono da beleza, e vai poder se isentar dos erros e somente aproveitar-se dos acertos… PÁRA E REPENSA.

Os bebês choram muito. Principalmente nos três primeiros meses. E na maioria das vezes é apenas insegurança.
Raciocine comigo: Foram nove meses quentinha, acolhidinha aqui dentro de mim, e quando ela sai da minha barriga, eu já vou exigir que ela se torne independente? Não dá né?!

O cordão umbilical é cortado somente aos nossos olhos.
Para o bebê, ele ainda existe.
Nos três primeiros meses, ele não tem noção que a mãe é uma pessoa, e ele é outra.E assim… Cansa assumir a responsabilidade de mais uma vida, além das nossas próprias?
Cansa, e muito.
Mas… PACIÊNCIA.
O bebê vai crescer, não vai mais exigir tanto e as coisas ficarão um pouco mais leve… Mas por enquanto, é só um bebê.

A primeira coisa que uma mulher deve saber quando está disposta a receber um filho é que a vida dela JAMAIS será a mesma. Mas isso não quer dizer que ela será ruim.

Porque isso dependerá muito de você. De quantas vezes será capaz de respirar fundo no dia… E o principal: Do quanto você é capaz de aguentar as oscilações da maternidade: Num momento, o desespero pelo choro. E no outro, o amor absurdo por um simples sorrisinho.

Eu sou do tipo de mãe que dá muito colo mesmo.
E não, ela não vai ficar mal acostumada.
E se ficar, é do colo da mamãe que ela gosta.

Evitar ceder aos palpiteiros de plantão também fará um bem danado!

Eu juro que não entendo a preocupação absurda que todo mundo tem com coisas que não deveriam se importar.

Não, eu não a deixo chorar, porque eu estou aqui pra isso. (entendam que estamos falando de choro por carinho, não pra um brinquedo caríssimo que está na vitrine e eu não vou comprar)
Sim, eu vou amamentar até quando Deus me permitir e ela quiser. Isso é saúde, e é uma coisa que ninguém pode fazer por mim.
Não, eu não vou dar chá, nem caldo de feijão, nem nada do que me dizem (a não ser a Pediatra, e isso, após passar por minha aprovação). Porque, graças a Deus nada aconteceu com as milhares de crianças que já passaram por isso, mas quando se trata da minha filha, é minha responsabilidade e meu dever. Na hora do apuro, ninguém vai assumir a bronca e passar noites em claro.

É difícil acordar de madrugada pra dar de mamar, pra trocar fralda e etc?
É sim. Mas é temporário (mesmo!)

Então, se você teve a oportunidade de ser mãe, seja de forma intensa.
Eu me disponho a estar presente nos momentos que minha filha precisa de mim, mesmo que eu tenha que abrir mão de mim mesma.

Já são 2 anos e 7 meses e eu só tenho motivos para agradecer pelo presente que é ter um filho.

Afinal, ser mãe é… (me diz você) :)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *