Dicas, Saúde e Alimentação

Alimentação Infantil: Seu filho é o que VOCÊ come

alimentação

Eu não lembro se já comentei a respeito, mas desde criança eu estou acima do peso. Já estive mais gorda, mas também já estive mais magra. E tudo isso por um motivo muito simples: minha alimentação.

Quando eu tinha 5 anos, meus pais abriram uma pizzaria, e por mais que tentassem manter uma alimentação equilibrada, as jantas saíam do controle: era sempre pizza, ou algum lanche que desse para fazer por lá. E não teve jeito, foi a soma de fatores emocionais, com uma alimentação nada regrada e eu adquiri um corpo que não é do meu favorito. Mas, mais do que isso, problemas de saúde também acabaram entrando em questão: Gastrite, pedras na vesícula, enxaquecas, rinite, pré diabetes aos 13 anos e por aí vai. E sim, tudo isso poderia ter sido evitado, ou ao menos minimizado se eu tivesse costumes melhores na alimentação.

Sabendo do quanto é sofrido lidar com o sobrepeso, e também, todos os problemas de saúde gerais que uma má alimentação pode causar, desde o início eu decidi que faria diferente com a Bellinha.

O primeiro passo era ser bem rígida quanto à alimentação complementar antes dos 6 meses. Aqui, nós esperamos e eu não me arrependo por nada. Além de manter os benefícios da amamentação exclusiva durante o primeiro semestre de vida, pude me preparar melhor para a introdução dos alimentos.

Mas, assim que a Bellinha cresceu, ficou claro o quanto as crianças são observadoras natas, e que precisam de exemplos acima de qualquer coisa. Entendi logo de cara que ela não comeria se não me visse comendo, e principalmente, não saberia se gosta de doce ou não, se eu não desse a ela.

Então a conclusão é simples: Quem cria o paladar de um filho, são os pais. Uma criança que nunca comeu uma bala, não sabe que é boa até experimentá-la. Uma criança que não toma refrigerante, não sabe o gosto que ele tem, se não experimentar.

Que a natureza acaba se encarregando de apresentar certas coisas aos nossos filhos, isso é fato. Mas e se pudermos evitar? Ou pelo menos, minimizar a quantidade e a frequência e controlar a qualidade do que eles comem?

Para começar, é preciso abrir seus armários e geladeiras e se perguntar: “Tudo o que tem aqui, eu daria para o meu filho comer?”

Se a resposta para algum alimento for NÃO, então jogue fora, ou esconda muuuuito bem para você comer trancada dentro do banheiro às 4h da manhã. hahahahahahaha

Brincadeirinha… Não precisa ser tão radical, mas é essencial que algumas providências sejam tomadas… Olha só:

Evitar ao máximo ter em casa:

  • Refrigerante
  • Doces
  • Bolachas recheadas
  • Iogurtes com açúcar
  • Sucos de caixinha (Sim! Eles são um perigo!!!!!!!!!!!)
  • Produtos industrializados no geral
  • Frituras

açucar_bebidas_rounded

Dicas para manter uma boa alimentação:

  • Todos devem comer da mesma forma e a mesma comida
  • Refeições com bastante legumes e verduras
  • Deixar frutas sempre a vista (isso instiga a criança a comê-las)
  • NÃO deixar guloseimas a vista
  • Não ceder aos palpites alheios (‘tadinho, ele não come doce?’)
  • Não ceder às vontades da criança com frequencia (porque uma hora ou outra, acontece aquela pequena escapadinha e ninguém deve ser crucificado por isso)
  • Ter regras para os horário de refeição, como: Não comer assistindo televisão; Não comer no sofá ou em nenhum outro lugar se não à mesa; Negar-se a experimentar tudo.
  • Entender o que seu filho realmente gosta, e trabalhar com a regra do 10 (válido para bebês): A criança pode cuspir determinado alimento até NOVE vezes, e você só tem direito de desistir quando chegar à decima colherada jogada fora. (É preciso persistência!)
  • Não utilizar a tática ‘faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço’: Seja o melhor exemplo que seu filho pode receber
  • Tenha lanchinhos saudáveis em casa, para as ‘fomes fora de hora’.
  • Tentar adaptar a criança a consumir ÁGUA com frequência, e evitar sucos prontos, refrigerantes e quaisquer outras fontes calóricas sem acréscimo nutricional!
  • Leia sempre os rótulos

rotulos

  • Crie! Faça pratos coloridos e divertidos para despertar o interesse da criança.

d4430846854038cbe7adccee68300c64

  • Mude a forma de servir alguns alimentos. Isso desperta a curiosidade!

0fb6dc24e363a9165607d6baf8a878c8

Vale reforçar que as crianças começam a comer aquilo que lhes é oferecido. Então, seja seletivo e pense bem antes de deixar seu filho começar a consumir determinados alimentos. Embora ‘o filho de fulana tenha comido e não morreu’, não se sabe quais os problemas de saúde que ele acabou levando pra vida por um descuido aparentemente ‘bobo’ na infância, não é mesmo?

E olha, eu estou LONGE de ser fitness, de ser super encucada com isso, e tudo mais. Volta e meia rola um hamburguer fora de casa, ou acabamos fazendo um lanche não muuuito saudável, mas o máximo que podemos fazer, nós fazemos.

E tenho muito orgulho de ver minha filha de três anos não comendo balas, mesmo que sejam oferecidas. Não consumindo salgadinhos nem bolachas recheadas, frituras, e melhor ainda é vê-la falando que ‘refri faz mal’, e pedindo um copo de água no lugar.

Pequenas atitudes podem fazer uma diferença pra VIDA. Por isso, coma bem, para que seus filhos façam o mesmo.

E se você precisar de inspirações, eu super indico a page AS DELÍCIAS DO DUDU, e o programa SOCORRO! MEU FILHO COME MAL, que passa às 22:00 de toda sexta, no GNT! 🙂

Um beijo,

para posts 2

6 thoughts on “Alimentação Infantil: Seu filho é o que VOCÊ come

  1. ótimo artigo, Ste. eu nem tenho filho e já sou super chata quando vejo crianças da minha familia comendo “errado”. concordo muito com o fato de que um bala nao faz falta a crianca pq ela nunca provou, e nao sabe o quanto é bom…quanto mais adiarmos essas experiencias nos filhos, melhor. nao é?!

  2. Deixar guloseimas a vista é muita tentação, acho que nenhuma criança iria preferir fruta no lugar de guloseimas, então concordo total de não ter em casa mesmo.
    Comigo acontece isso ( e já sou bem maiorzinha, haha) se vejo doce por casa, eu ataco mesmo 🙁

  3. Faz TODA diferença mesmo, e acho pesado quando julgam uma mãe que não quer dar refrigerante ou bala para o filho. Poxaa, ela tá cuidando da SAÚDE da criança e tem quem quer estragar isso. Não me conformo hehehe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *