Saúde e Alimentação

Introdução Alimentar: Como começar

Hoje tem post de diquinhas, aê!!!!!

Gente, Bellinha fez 6 meses dia 1º!
COMO ASSIM?
Parece que foi ontem que aquele pingo de gente chutava minha costela e apertava minha bexiga :O
Enfim, devaneios a parte, sim, 6 meses!
E o que isso quer dizer: HORA DE VIRAR MOCINHA E COMER PAPINHA! o
Tudo bem, confesso que não gosto da ideia porque é sinal de mais trabalho (antes era só leite materno, ou seja, só abaixar a blusa e tava tudo ok), mas, já que é preciso, eu decidi fazer bem feito.
Vamos começar pelo fato que: Eu trabalho o dia inteiro, chego em casa cansadona, e tenho mil coisas pra fazer (dar banho na baixinha, dar uma ajeitadinha na casa, lavar roupa, lavar louça e etc). Eu mal cozinho pra mim e para o meu marido, é sempre jogo rápido: Um pão com presunto e queijo e olhe lá. Então, como criar um cardápio saudável?
Já te conto.
Vou voltar um pouco no tempo: Na última consulta com a pediatra recebemos o “cardápio” de alimentos para iniciarmos a introdução alimentar APÓS OS 6 MESES! (Já contei pra vocês aqui que até os 6 meses é ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO, lembram?)
Então, para a minha surpresa, o cardápio era completíssimo! A pedi liberou tudo que é saudável: todas as frutas, verduras, legumes, carne, ovo, macarrão.
Aí eu já comecei a viajar, pensar em mil papinhas pra fazer, como fazer e etc.
Mas, assim como TODA indicação que a pediatra da Bellinha faz, eu PESQUISO, e muito, sobre tudo!
E foi assim, depois de muita pesquisa, curiosidade e dedicação, que eu criei minha rotina de “comidinhas”. E vou compartilhar aqui com vocês sobre:
A INTRODUÇÃO ALIMENTAR SAUDÁVEL!
(Lembrando que não sou perfeita, nem médica, nem nada. Sou mãe, curiosa, me dedico a saber de tudo um pouco, e passo pra vocês o que faço e FUNCIONA! Ou seja, não é pra meter ninguém em furada nenhuma tá?! Aqui em casa é assim e dá super certo ~sem contar que é assim que tudo indica ser a forma mais correta possível~)

Voltando a parte em que eu não tenho tempo, confesso, não consigo fazer papinhas fresquinhas todos os dias. Mas mesmo assim, decidi fazer uma vez por semana, de uns 3 sabores diferentes, e congelar.

Que saber #ComoFaz?

Então vamos lá.
Antes de qualquer coisa, saiba que as papinhas podem permanecer 24h em GELADEIRA, e até 2 meses no FREEZER em potes de VIDRO com tampa plástica, seguindo alguns cuidados que eu já já vou explicar.
(Eu comprei meus potes AQUI)

Como começar:
A primeira papinha que eu dei foi de fruta.
Mamãozinho amassadinho.
Sim, AMASSADINHO: Não passa em peneira, não bate em mixer nem nada.
Além de perder alguns nutrientes quando se bate os alimentos no liquidificador/mixer, eles também perdem a textura. E o bebê PRECISA sentir a textura diferente dos alimentos, pra começar a “pegar o jeito” da mastigação e treinar a musculatura facial.
(As papinhas de frutas eu não congelo. Faço fresquinho… Só descascar e amassar rapidinho).

Primeira papinha (mamão)

Papinhas salgadas:
Existem três grupos de alimentos:

  1. Os energéticos (Carboidratos)
  2. Os construtores (Proteínas)
  3. E os reguladores (Verduras e Legumes)

Eu preparo as papinhas sempre no método 1+1+2 (1 energético + 1 construtor + 2 reguladores)
Exemplo: Papinha de Macarrão, frango, cenoura e beterraba
P.S: Miojo não é macarrão tá gente? Mesmo não temperando com aquele pacotinho de sal puro que vem junto, a própria massa contém um excesso absurdo de sódio!

#ComoFaz
(vou usar de exemplo essa papinha que citei acima)
Primeiro, eu ralo um pouquinho de cebola e refogo com um fio de azeite de oliva extra virgem.
Em seguida, coloco o frango (em cubinhos pequenos – pra ficar mais fácil de desfiar depois-) para refogar junto com a cebola, e em seguida  acrescento os legumes já lavados, descascados e cortados em cubinhos também. Cubro com água filtrada e deixo cozinhar por uns 5/7 minutinhos, e depois adiciono o macarrão, e deixo cozinhar até que fique tudo “amassável” (palavra nova, anota aí! HAHA) e que fique com um pouquinho de caldo (não muito!!).
(Quanto aos temperos, somente um pouco de cebola e cebolinha. O sal só deve ser adicionado na hora que for servir, ou seja, no caso das papinhas que vou congelar, NÃO ADICIONO SAL, somente na hora de esquentar pra ela comer – O sal adicionado antes pode azedar os alimentos mais fácil e mais rapidamente-).

PARA CONGELAR:

Antes de tudo, você deve ferver os potes de vidro (abertos) por 15 minutos com a panela tampada.

Para que os alimentos não percam os nutrientes, antes de levá-los ao freezer, você deve passá-los pelo processo de branqueamento primeiro.
O que é isso?
Você tira a panela com os alimentos do fogo, e já coloca em água gelada (como se fosse um “banho-maria-frio”).
Sabe porquê: O choque térmico causado pelo branqueamento, pára o processo de cozimento e inativa as enzimas que promovem o deterioramento da papinha. E também diminui a carga microbiana inicial do alimento.

Depois disso, você pode amassar os alimentos com um garfo e colocar nos potinhos (já esterilizados e secos). (Ah, e o frango eu desfiei bem fininho!)
Eu etiqueto tudo, escrevo os ingredientes e data de “fabricação”. Mesmo sabendo que as papinhas não vão durar mais que uma semana no freezer. 🙂

Viu só? Nem é tão difícil assim.

Essa semana eu fiz:
Papinhas de:

  • Frango, batata, cenoura e beterraba ; 
  • Chuchu, macarrão, cenoura e frango

PARA SERVIR:
Você deve “descer” a papinha do freezer, para a geladeira, na noite anterior ao consumo, para que dê uma breve “descongelada”. E na hora de servir, esquentá-lo em banho-maria. (Não esquece de adicionar uma pitadinha de sal pra dar mais gostinho ~mas só uma pitadinha hein~)

Pode congelar o que sobrou?
NÃO, de jeito nenhum. Sobrou, joga fora. Isso é LEI. Por motivos óbvios: Já não tem mais a mesma quantidade de nutrientes, e pode proliferar várias bactérias. Então: sobrou, vai pro lixo.

Gente, dá trabalho? Dá! Lógico que dá.
Mas tem jeito de simplificar, de evitar os alimentos prontos, cheios de conservantes e com nem 1/3 dos nutrientes que os alimentos fresquinhos tem.

Eu pensei que fosse ser mais difícil toda a fase de adaptação, mas graças a Deus ela pegou rapidinho, e hoje tem uma rotina ótima de alimentação:

  • Manhã: Leite materno em livre demanda
  • Almoço: Papinha salgada + frutinha
  • A tarde: Leite (no finalzinho da tarde ela toma um suquinho de laranja-lima)
  • E a noite: Leite materno em livre demanda

Ah, e água durante os intervalos.

Aqui também funciona assim:

  • Sucos de frutas: não é indicado para os menores de um ano. Então evito os sucos, pois eles não tem os mesmos valores nutritivos das frutas, então, dou sempre “in-natura”. Especialmente as frutas aguadas: melão, melancia, laranja. E claro, NADA de suco pronto (na verdade, nada de qualquer coisa já pronta e industrializada).
  • Tentei dar chá esses dias, mas ela não gostou muito, o que é ótimo, já que o chá não acrescenta em nada (não tem caloria, nem nutriente), então, prefiro que ela se acostume a beber água.
  • Não acrescento açúcar nas papinhas doces. Os bebês não tem noção de sabor. Claro que o que tá adoçado, é mais gostoso. Mas eles não precisam saber disso. Melhor coisa já é acostumá-los com o verdadeiro sabor.
  • MEL em hipótese alguma antes de um ano! (Pode causar botulismo)

Algumas decisões nossas interferem diretamente num futuro saudável dos nossos filhos.
A frase que eu mais escuto agora que sou mãe, é: “Meu filho comeu isso e não morreu”, “Você comeu isso e não morreu” e etc.
Mas as pessoas esquecem (ou fingem que não sabem), que as doenças mais comuns hoje em dia como: a Diabetes, Pressão arterial alterada, problemas cardíacos, Síndrome do Estomago Irritado, Obesidade e etc, e até mesmo coisinhas que consideramos “normais” (mas não são!) como: memória falha, dores de cabeça, dores no corpo… Poderiam ser evitadas pelo simples cuidado de uma alimentação saudável desde pequenos.

Por esses e outros motivos, eu me esforço, insisto e persisto em dar à minha filha, o que eu não tive/tenho: Uma alimentação saudável!

Se eu posso dar o melhor pra ela: POR QUE NÃO? Né?

Ah, um adendo aqui:
Ontem iniciamos a saga: BLW (Baby-Led Weaning)
Até que não foi uma tentativa TÃO frustrada como eu imaginei. Mas, vamos continuar até dar super certo.
(Não tô conseguindo formar um texto pra explicar com as minhas palavras sobre o que é o BLW, então, clica ali em cima que vai aparecer uma explicação perfeita)
Lembrando que: Um dos sinais que o bebê está pronto para receber a introdução alimentar, é o fato dele sustentar o corpo sentadinho sem nenhum apoio. Já que a Bellinha agora tá assim, achei ideal pra tentar esse método.
(Só errei por dar a banana na mão dela, na próxima, vou deixar ela se virar 100% sozinha! rsrsrs)

Espero que tenham gostado, e aceito dicas também viu?

Beijos e até a próxima

1 thought on “Introdução Alimentar: Como começar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *