Maternidade, Textos Gravidicas

Ela não sente ciúmes… Será?

Ela não sente ciúmes, mas de repente começou a querer comer o que a irmã come e a tentar colocar as roupas da bebê.

Ela não sente ciúmes, mas começou a ter crises de choro em momentos diversos, sem explicação ou gatilho aparente.

Ela não sente ciúmes, mas não quer sair de perto de nós, para não deixar a irmã sozinha com os pais.

Ela não sente ciúmes, mas muda a feição quando rimos demais com a caçula, e fica nitidamente irritada quando damos atenção para a pequena.

Ela não sente ciúmes… Será?

É difícil admitir, eu sei. Mas precisamos aceitar que o ciúmes nem sempre está relacionado a ódio e repulsa.

Muitas vezes, ele se apresenta de formas diferentes e até mesmo sutis, mas nao significa que não esteja lá.

Por isso é preciso voltar os olhos com cuidado quando os sinais começam a aparecer.

Se muitas vezes nós, adultos, não sabemos lidar com esse sentimento, não podemos esperar clareza e maturidade quando se trata das crianças.

Por isso, é preciso entender quais são os pontos que incomodam e que afloram esse sentimento.

Cobrar que a criança não sinta, é, além de errado, um tanto quanto irracional.
Seja ciúmes de irmão, primos, e até mesmo dos amiguinhos, não importa. É preciso tentar amenizar as dores que isso causa.

Um dos principais pontos a se fazer é: amar muito! Porque por mais que pareça que ela não mereça, este é o momento que ela mais precisa do seu amor e da sua paciência.

Outra coisa é: nunca diminuir o sentimento, fazer chacota, ou cobrar que a criança não sinta.
Ninguém sente ciúmes porque quer.
É instintivo e natural.
Mas se for ignorado pode causar traumas e mágoas que perdurarão por toda vida.

Observe com carinho, dê atenção e converse. Se achar que a situação está mais grave do que você esperava, não hesite em procurar ajuda de um profissional.
Muitas vezes as crianças não sabem verbalizar o que sentem, e existem pessoas especializadas em trabalhar exatamente esse ponto.

Ciúmes é comum, mas não deve ser ignorado. Faz mal para quem sente, e pode privar seu filho de viver com leveza.

Abrace sua criança e mostre que não importa quantas pessoas existam no mundo, ela é única exatamente por ser quem é.

0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *